domingo, 10 de maio de 2015

Ode ao escuro

Cega-me
Afasta de mim essa luz
Que entre em meus olhos
E ilumina meu cérebro

Cega-me
Me permita sentir e não ver
Me permita a descoberta lenta
E mergulhar-me em odores

Afasta-me da ressaca
De estímulos visuais
Que me acorrentam
No mundo viciante

sábado, 10 de janeiro de 2015

Procura-me

Me perdi de mim,
Tanto tempo demorei pra me encontrar,
E agora me perco de novo
E sinto a falta de andar de mão dadas comigo
De rir de sair por ai
E sumir no mundo,
só eu e eu mesmo.

Me perdi de mim,
Mas suponho que sei onde está,
Apenas suponho, pois meu eu não é de ficar parado,
Devo ter perdido em alguma cachoeira, ou mato
Ou mesmo na areia ou dentro do mar.

Sei que ele está se divertindo, vendo lua, vendo sol
Correndo e admirando paisagens,
Mas sentindo falta de mim como companhia.