segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

O menino de pés descalços sobre a grama verde olhava para o pai e apertava mais seu braço..

-Aonde fica pai?

O pai olhava a pequena mão e os olhos aflitos do filho, se agachou ficando da mesma altura do menino e tentou lembrar do olhar que tinha quando possuía a mesma idade do menino.. estendeu a mão apontando para o céu, e imediatamente a criança seguiu seu dedo com o olhar...

-Bem ali, em cima de todas as nuvens...
...
Anos se passaram e o menino estava nas montanhas, agora já maduro, seu pai já se fora e dera lugar a seu filho, que estava descalço a seu lado....pés sobre a terra batida segurando-o pelo braço e com o olhar aflito perguntava...

-Aonde fica pai?

O pai sorria, lembrando de quando tinha essa mesma idade, lembrando de seu pai e da agonia que sentia ao fazer esta mesma pergunta... também sabia que apesar do que falasse a resposta só viria com o tempo...
Agachou ficando da mesma altura de se filho, e bem perto do vazio das montanhas apontou para baixo, para as nuvens...

-Bem ali, em baixo de todas as nuvens...

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Em meio ao deserto
passos

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Desabafo desconxeo

nao ha palavras
ha agonia, duvidas
de todas as certezas nao acreditadas
por mim e agora por ela

todos os momentos que hj valorizo
todos os risos e palavras incriveis q quis proferir nos momentos ideias

nao entendo meus atos
nao entendo o que fiz

queria muito pouco tempo atras ter tido outro desabafo
desabafar o quanto é bom amar alguem de novo
desabafar o quanto é bom sorrir e ver um sorriso
desabafar sobre toos os planos sobre toda a feicidade
e que seria pai e que seria marido

falei de barriga cheia
de tanta coisa sem razao sem relaçao se base
falei de areia

Agora a areia escorre
como vc escorre pelas minhas maos
e como o tempo
escorre meu rosto escorre minha imagem
escorre tudo que vivemos escorre tudo q vc acreditou
escorre o que nunca era pra ter escorrido

Vc foi meu castelo
vc é um casteo
uma pessoa forte e incrivel 
que merece todo o respeito e admirçao
um castelo de vidro
Que deixava-se transpareccer por inteira

E eu de areia