domingo, 21 de abril de 2013

Mistura, Caminhos e Desencontros

Toda errada
Me liga na madugada
Desabafa dores, prazeres, lágrimas.
Me encara e sorri
Me confunde
Me abraça

Abre a porta em prantos
Gritos e choros
Raiva e tristeza
Por um amor imperfeito
Me puxa deitada me prende
E jura eternidade com rosto enrubescido

Jura amor anonimo
Como se eu não já soubesse
Alimenta sempre um talvez
Seduz a cada oportunidade
Corporifica minha confusão em palavras

Chora ao dizer adeus
Aperta forte minha mão
Debruça em meus ombros
E some

Esconde os olhos
Faz drama
Deixa as lagrimas escorrerem
Assume a culpa
Encara o céu  - Refletido em mais olhos cheios,
Não me toca
Não sorrio 
Viramos as costas

Sumimos


Nenhum comentário:

Postar um comentário