terça-feira, 16 de outubro de 2012

Chuva

O vento sopra
A folha fina e verde balança
A gota de orvalho se aglomera a outras e escorre
Assim como a chuva

O céu escuro clareia em segundos
E volta a escurecer
A gota escorrida se junta as demais em uma pequena poça
Junto a tantas outras
E o vento sopra

Os pingos tocam o lago gélido
E as ondulaçoes se entrecruzam
A terra umida e fria
Com alguns frutos caídos
Levementes mordiscados
Levementes apodrecidos

E o vento torna a soprar
Qual a seriedade de uma tempestade?
Quanto de seriedade cabe em uma gota?

Nenhum comentário:

Postar um comentário