terça-feira, 31 de julho de 2012

Seu ser é tão presente quanto mesmo minha alma
Aparece quando for e antes mesmo fecha meus olhos para que possa mais sentir-te do que ver-te
começa sempre a me buscar para a dança
Animo como criança e me arrepio de pele e alma

Quanta vezes nao me puseres na cama
E pude sentir te a alisar meus cabelos ou mesmo guardar meu sono
quantas vezes nao enconstastes a cabeça em meu ombro ou mesmo as mãos de modo que o sentir pedia sublimação

O mais impressionante é como chama a minha alma para que atraves dela
e somente desse modo possa me completar e ver em ti uma essencia dançante, flutuante e leve
que so me pede sorriso e leveza 

Atomo

Não quero mais ser laranja,
abdico hoje de meu estatuto frutifero
Desejo antes ser uma bola de bilhar
aquela mesma de Bohr
A questão é ser indivisivel,
não possuir mais a externa alma de Machado
Nada que va impedir ligações
Mas que faça ter meus 8 eletrons sossegado como talvez os nobres da tabela
Não me entenda mal, nada contra a cor e a furta mais apenas a durabilidade de sua unidade, sempre posta em cheque

quarta-feira, 25 de julho de 2012

A agonia e o grito mudo
Infancia remota e temores e medos remotos
lembranças a tona por uma memoria sensivel
a mesma sensaçao
mesma sensaçao
sensação
que ecoa agonia.
O medo o erro os olhares
Meu silencio
gritos presos que fazem tremer as grandes da minha prisão no peito
E agora ta tudo escuro e o ar quente, quente e frio
e aquela tacardia que não passa
Do passado surge no presente o medo de um eterno futuro
O retorno, o retorno infernal e a falta de habilidade de saber contruir
a carencia de material e o receio do improviso
Não me ensinaram nada de util
E sempre deixem calados os que assim dizem querer ficar
Se acaso toda a tranquilidade fosse uma real paz eterna em meu corpo
a serenidade jaz amassada e engasgada
e tudo sai borrado confuso como tudo que sinto
tremulo o menino reaparece barbado
de forma a ter ainda coração pequeno pelas grandes que impediam seu crescimento
o certo e o errado eram o nome das laminas das tesoras que me podavam
e que apesar de tudo ainda tem a mesma afiação.
a Minha vontade era simplesmente fazer uma fogueira, me aquecer e me aconchegar com a combustão de meus medos.
Não quero enterra-los quero consumi-los antes que me consumam