segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Que o sublime se foda

O rompimento do sublime
assim como o mergulho no mais profundo abismo
Liberaçao de fios títeres
E o bom e velho dedo do meio depois da cerveja
A raiva é a substancia primordial do amargar da boca