segunda-feira, 28 de março de 2011

O deliciar aparenta ser algo concreto
Algo que podemos sentir de diversas formas
De sorrisos a carinhos
De olhares À propria cumplicidade
Assim como a concretude do próprio amor
O sentimento que afeta de modo tao direto
O instante e mesmo o momento que se prolonga e se eterniza na memória do ser
Tudo tão concreto que não precisamos mais ver
Tocar ouvir, sentir
Vivemos
Vivemos não como algo voluntário
Vivemos por ser incontrolável e não nos restar escolha
Somos levados de tal forma que não conseguimos sequer raciocinar
Mas claro, certas coisas não cabem à ordem da razão
Sente-se na mente mas não se digere em pensamentos
Essas abstrações concretas
Se digerem na alma, alimentam o ser de modo mais leve
mais sublime

Nenhum comentário:

Postar um comentário