quarta-feira, 26 de maio de 2010

Sede Obsessiva

Minha sede agora aumenta
minha garganta não é a mesma
meus olhos se fixam e se perdem
Agora é o mel que eu desejo
Desejo com a mais impura vontade
Com a obsessão do feitiço
desejo o sangue e a carne
derramados pelo vinhos
Mordo seus labios
faço revira-te os olhos
cega-me com seu veneno
Vibora hipnotizante
que se faz suplicar pelo seu rastejo
Atira-me seu veneno e seu favo
e me faz ajoelhar sobre ti
Me faz delirar, e me faz atacar
Marcas do mais delirante prazer
da mais ardente respiraçao
terei-a em minhas maos,
em meus braços
dar-lhe-ei o prazer mais inesquecivel
tomarás de seu veneno e irais suplicar o mel
Então dexarei-a enfeitiçada
Caida em seu próprio céu

Nenhum comentário:

Postar um comentário